Medo e Pandemia

Embora o conhecimento seja fundamental para nos munir contra qualquer agressão, o fluxo constante de informações que, muitas vezes, vêm acompanhadas de previsões catastróficas, costumam gerar grande angústia e desespero. Nesse artigo, veremos um assunto importante sobre a atualizada, o medo e a pandemia. Ótima leitura!

Como enfrentar o medo, ansiedade e angústia

Nesse momento é difícil encontrar alguém que não esteja passando por algum tipo de angústia, que não esteja sentindo-se mal com a atual situação que o mundo enfrenta.

Por muitas vezes, sentimos a necessidade de termos de volta nossa rotina, de não nos preocuparmos com a possibilidade de contrairmos algum com um simples aperto de mãos.

Nessa realidade alguns sintomas que já existem são exacerbados, pessoas que já apresentam ansiedade tem seus sintomas levados ao nível máximo de sofrimento, assim também com pessoas paranoicas e depressivas.

Nunca se teve tanta necessidade de contato, mas por outro lado, é justamente ele que nos causa a doença, e a sua falta também. Construímos nossas memórias em reuniões de família, momentos entre amigos, viagens, aniversários, casamentos etc.

Recriar a nova realidade pode ser a solução

Como recriar a nova realidade é o grande diferencial para não sofrer num mundo de cabeça para baixo, entender que novos hábitos são necessários, que o que sempre acreditamos como certo hoje já não cabe mais. Nossas atitudes devem ser responsáveis para nossa proteção e do outro.

Manter a saúde mental durante um período de incertezas é quase uma batalha diária, a rotina é fundamental para organizarmos nossa vida, nossa mente, estudos e trabalhos. Quando nos encontramos num momento desconhecido, num ambiente que não nos é familiar, perdemos nossa maneira habitual de levar a vida.

Notamos pelas redes sociais e conversas com pessoas do nosso convívio, que o medo do desconhecido tem tomado conta dos indivíduos, a insegurança perante a doença, desperta em nós nossos sentimentos mais primitivos de preservação da vida.

Contato virtual

O virtual tornou-se a ponte mais fácil de contato com o mundo, desde comidas até vídeos chamadas em família e amigos, o sentimento de solidão pode ser preenchido de alguma forma.

Possibilitando, inclusive, que trabalhos continuassem acontecendo de maneira remota. Mas existem pessoas que não tem a possibilidade de se mantém seguros em suas casas, temos como exemplo os profissionais da área da saúde,
que lidam diretamente com doentes.

O medo da morte – como enfrentar

Nesse processo temos o medo da morte como companheiro a todo momento, temos dentro da pandemia uma outra pandemia: o medo.

Temos o medo como aliado num primeiro momento, nos impulsionando a agir contra o perigo, quando nos sentimos sob ameaça e temos nossa vida em risco. Sendo perfeitamente compreensível nesse momento. Mas por outro lado, ele pode acuar e te manter paralisado, com a ideia fixa de perda, principalmente quando a situação envolve um caso de saúde, perda financeira e de familiares.

Outra coisa que apavora muitas pessoas é o isolamento social, a sensação de estar sozinha sem previsão de tempo para acabar, mexe com estado emocional dos indivíduos.

O medo funciona com gatilho para outros problemas de saúde mental, depressão, ansiedade, crises de pânico, quadros de paranoia e psicoses, até possíveis suicídios. Deixando nas pessoas um trauma que dura mais que a própria crise.

Os sintomas físicos causados pelo medo

Quando estamos em constante estado de medo nosso corpo reage com sintomas físicos, diminuição de imunidade, taquicardia, sudorese, insônia, dor de cabeça, aumento de pressão arterial e etc. Quando sentimos medo, temos liberação de hormônios, entre eles o cortisol, conhecido como hormônio do estresse.

Outro fator de mudança que gera efeitos colaterais negativos, é o sono. A ausência de uma rotina no sono afeta a saúde mental e fisiológica, ou seja, de um dia para o outro tudo se transformou e sem uma data de término. A falta de informações concretas eleva a ansiedade e diminui a capacidade de lidar com o novo.

E o que pode agravar ainda mais a condição de mal-estar, são as notícias falsas que se propagam rapidamente pelas mídias sociais. Constantemente vídeos de pseudos profissionais alertando sobre mortes e notícias do governo circulam gerando na grande população um estado permanente de medo.

Infelizmente essas inverdades tem uma maior adesão, dando a impressão é interessante para alguns seguimentos manter o medo, pois gera pessoas mais acuadas. E na maioria das vezes, consegue-se atingir um número gigantesco de pessoas, ficando quase impossível mostrar a verdade.

Quem sofre com a pandemia?

Não existe uma faixa etária mais suscetível aos sintomas da pandemia, todos sofrem as consequências, de crianças a idosos todos tiveram alterações em suas vidas. Pobres, ricos, empregados e empregadores.

Não diria que estamos no mesmo barco, pois as realidades são diferentes e para alguns será devastadora, mas não está sendo fácil para ninguém. Como agir diante de algo que não fomos preparados para tal? Como se comportar diante de escolhas entre saúde e dinheiro?

Porque por mais que essa resposta seja óbvia, ela é cruel. Como dizer para alguém que ela deve ficar em casa para viver, se é saindo de casa que ela sobrevive? Essas questões nunca foram levantadas pela maioria de nós. A realidade da maioria nunca foi fácil, ela é mascarada pela correria do dia a dia, pelos compromissos e afazeres.

A mudança e um novo olhar

Mas agora está escancarada a necessidade de mudança, de um olhar de mundo coletivo, de integração entre homem e natureza, da dependência de um governo medíocre que não é capaz de cuidar de um pais e assiste a morte de quase 12 mil nesse momento inerte.

Nunca foi uma gripezinha, são vidas, medos, ansiedades, necessidades. São dias sem esperanças, sem datas, famílias afastadas, profissionais em estado de pânico. E no meio de tanta coisa, cabe ainda tentar manter a sanidade mental.

Esse texto sobre Medo e Pandemia foi criado por Danielle Batista especialmente para o Portal Só Psico. E aí, gostou? Aproveite e veja também outros posts sobre a Pandemia.

Deixe abaixo sua opinião e comentário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *